Ponto de Visualização

“Ponto de Visualização” agrega tecnologia e agilidade às unidades de saúde de Goiás

Projeto da FIDI facilita o acesso dos médicos aos resultados dos exames de imagens e agiliza ainda mais os atendimentos e tomadas de decisões, sem perder qualidade no atendimento à população

Para solucionar uma antiga reivindicação dos médicos locais em relação à distribuição de imagens de exames nas unidades de saúde, a FIDI, maior provedora de exames de diagnósticos por imagem do país para a área pública, criou o projeto “Ponto de Visualização”. A implantação teve início no HUGO (Hospital de Urgências de Goiânia) e envolveu as áreas de TI e operações da FIDI. Em pouco tempo os médicos do hospital puderam visualizar de forma eficiente e rápida os exames realizados.

“Convidamos profissionais de diversas áreas justamente para termos a dimensão exata do cenário atual e o que precisávamos ajustar. Com o conhecimento de cada um conseguimos elaborar um projeto robusto que atendesse às necessidades das equipes médicas e resultasse em benefícios aos pacientes, tornando os protocolos de atendimento mais ágeis e eficientes, sem perder qualidade”, conta Guilherme Nunes analista de PACS e RIS da Fundação IDI, que trabalha em parceria com Willian Marins, responsável pela área de infraestrutura de TI da Fundação IDI.

De acordo com Ricardo Furtado Mendonça, Diretor Técnico do HUGO, o projeto é de suma importância para os diferentes processos desenvolvidos dentro do hospital e resulta em sucesso ao tratamento proposto. “Por sermos um hospital de urgências e emergências o acesso amplo e rápido aos exames e laudos, feito em qualquer setor da unidade, contribui para que sejam tomadas ações imediatas. As medidas beneficiam diretamente a população, pois com a disponibilização rápida e de qualidade das imagens, o paciente tem acesso ao tratamento seguro, rápido e eficaz”, salienta.

O sistema PACS/RIS utilizado permite, por exemplo, que o exame de um paciente feito no HGG (Hospital Geral de Goiânia) possa ser visualizado pelo médico no HDT (Hospital de Doenças Tropicais), pois cada paciente possui um cadastro único no sistema, proporcionando mais agilidade.

“É um projeto que vai ao encontro das atuais tendências na assistência hospitalar, ou seja, modernização e informatização das ações terapêuticas e de diagnose. O médico assistente passou a ter acesso às imagens dando maior agilidade nas interpretações e permitindo discussões clínicas mais robustas, bem com alicerçando o componente do ensino médico na instituição. Isso era limitado com a utilização das impressões”, comenta Rafael Nakamura, Diretor Técnico do HGG – Hospital Geral de Goiânia.

O projeto Ponto de Visualização já está totalmente implantado nas unidades: HUGO (Hospital de Urgências de Goiânia); HGG (Hospital Geral de Goiânia); HDT (Hospital de Doenças Tropicais); HUGOL (Hospital de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira) e HUAPA (Hospital de Urgências de Aparecida de Goiânia. Na unidade HMI (Hospital Materno Infantil) está em fase final de implantação.

“Com o projeto, conseguimos um resultado bastante satisfatório atendendo essa demanda específica. Também promovemos a melhora na qualidade do exame diagnóstico do paciente obtido em vários pontos nas unidades, disponibilizamos acesso a todos os exames e laudos de pacientes o que agilizou o atendimento e as condutas médicas, além de gerar redução dos custos de impressões”, avalia Guilherme Romagnoli, Assessor da Superintendência.

Menos impressões

Antes da implantação do projeto Ponto de Visualização nas unidades, o volume de impressões era muito alto, o que gerava mais custos com papel, tinta, energia elétrica e manutenção das máquinas que eram muito utilizadas.

Agora, as médias mensais de impressões caíram consideravelmente. No HUGO o volume passou de 17 mil para 2 mil, no HGG de 18 mil para 3,5 mil, no HDT a redução foi de 3 mil para 600 folhas e no HUGOL de 7 mil para 1 mil. O objetivo é diminuir ainda mais essas médias.

Algumas impressões continuam sendo realizadas nas unidades, porém somente para casos de pacientes externos.

Sobre a Fundação IDI

A Fundação Instituto de Pesquisa e Estudo de Diagnóstico por Imagem atua há mais de 15 anos na saúde pública de São Paulo. Mantém convênio para operar a área de diagnóstico por imagem de diversos hospitais das Secretarias de Saúde do Estado e Município de São Paulo, prefeituras próximas à capital (São Caetano do Sul e Diadema), além dos Estados de Goiás e Bahia.

Possui cerca de 2 mil funcionários e 500 médicos especialistas, que atendem em mais de 70 unidades de saúde realizando mais de 4 milhões de exames por ano, sendo o maior provedor de exames de diagnósticos por imagem do país para a área pública.